ABEJ na SOCICOM - é hora de união em defesa da pesquisa, da ciência e da universidade pública!

Sílvio Henrique V. Barbosa - 17/09/2019 | 08:40:00

Em tempos de ataques às universidades públicas e à pesquisa no Brasil, ninguém solta a mão de ninguém... Em resumo, é essa a conclusão do V Fórum Socicom-Intercom, no qual a Abej esteve presente, durante o congresso da Sociedade Brasileira para o Progresso da Comunicação, na Universidade Federal do Pará, em Belém.

As duas mesas da Socicom, Federação Brasileira das Associações Científicas e Acadêmicas de Comunicação, foram concentradas ao longo do dia 03 de setembro, sob a coordenação-geral da presidente da entidade, Ana Regina Rêgo (UFPI).

Pela manhã, a Mesa 1 discutiu os novos modelos de percepção pública sobre ciência e tecnologia, moderada por Rudimar Baldissera (UFRGS/Socicom), com a participação de Maria Olívia de Albuquerque Ribeiro Simão (UFAM/UEA), Maria Ataide Malcher (UFPA), Adriana Omena (UFU/Intercom), Alexandra Ozorio de Almeida, editora-chefe da revista Pesquisa FAPESP, e Marina Menezes, editora executiva do Nexo Jornal. A mesa abordou questões como estratégias de aproximação com a sociedade e articulação com atores sociais e políticos, inovação na comunicação científica, publicações e plataformas de acesso aberto.

No período da tarde, uma grande decepção para todos. As agências nacionais de fomento não compareceram para a discussão do tema “Pesquisa em Comunicação: modos de interlocução com as agências de fomento”. Além dos presidentes das duas entidades anfitriãs, estavam previstas participações de Anderson Ribeiro Correia, atual presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes); Adriana Tonini, diretora de Engenharias, Ciências Exatas, Humanas e Sociais do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); e Carlos Edilson de Almeida Maneschy, diretor-presidente da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisa (FAPESPA).

            Diante das ausências de representantes da Capes e do CNPq, a Mesa 2 foi realizada com a presença de Carlos Edilson de Almeida Maneschy (FAPESPA); Giovandro Ferreira (UFBA/ INTERCOM); Ana Regina Rêgo (UFPI/SOCICOM) e Eduardo Meditsch (UFSC), com a moderação de Fernando Arthur de Freitas Neves (UFPA).

            A tônica, é claro, foi o terrível momento vivido pelo ensino superior do país e pela pesquisa.

            Eduardo Meditsch salientou que, mesmo o Brasil estando em 13º posição como produtor de ciência, o atual governo considera isso irrelevante e opera cortes atrás de cortes.

            Giovandro Ferreira salientou que há um projeto destrutivo revelado pelo governo, que não oferece um projeto construtivo no lugar.

            O Future-se, ou “Fature-se”, como definiu Ana Regina Rêgo, aponta para uma lógica de mercado que será implantada na pesquisa brasileira. E, diante disso, é preciso a união ainda mais estreita das várias entidades na defesa comum das universidades, da pesquisa e da extensão.

            Nesse esforço, a Socicom buscará reaproximar-se com a Compós, por um lado, e, por outro, unir-se aos esforços da SBPC no Congresso Nacional para conseguir aliados para essa grande causa: a educação pública, verbas para universidades federais, para ciência e para tecnologia.

 Sílvio Henrique V. Barbosa (Abej- UFPI) e Marcelo Bronosky (Abej-UEPG)