Jornal pelo WhatsApp: o papel do aplicativo na rotina produtiva do Correio Popular

  • Lucas Santiago Arraes Reino
  • Thaísa Bueno
  • Matheus Lopes
  • Thaynara Leite
Palavras-chave: Rotina produtiva. WhatsApp. Correio Popular. Imperatriz. Interior

Resumo

Esta pesquisa tem por finalidade entender como o WhatsApp interfere na rotina produtiva do jornal Correio Popular, o primeiro e único jornal de Imperatriz (MA) a ser distribuído pela ferramenta. Para atender aos objetivos, o estudo incluiu três etapas: apreciação do dia a dia na redação, condução de entrevistas e observação participante. Com base nos preceitos da etnografia, a inserção dos pesquisadores ocorreu entre os meses de outubro e novembro de 2017. O roteiro de observações foi guiado por dois pilares temáticos: a distribuição e a rotina de trabalho. Conclusivamente os resultados mostram que o aplicativo tem ressignificado alguns métodos tradicionais de apuração e de divulgação dos fatos.

Biografia do Autor

Lucas Santiago Arraes Reino

Doutor e professor adjunto no curso de Comunicação Social – Jornalismo na Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Thaísa Bueno

Doutora e professora adjunta no curso de Comunicação Social – Jornalismo na UFMA.

Matheus Lopes

Graduando em Jornalismo na UFMA.

Thaynara Leite

Graduanda em Jornalismo na UFMA.

Referências

AGNEZ, Luciane Fassarella. A convergência digital na produção da notí-cia. Universidade Federal do Rio Grande no Norte, 2012. Dissertação (Mestrado em Estu-dos de Mídia) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, p. 157. 2011.

AMARAL, Adriana; NATAL, Geórgia; VIANA, Luciana. Netnografia como aporte metodoló-gico da pesquisa em comunicação digital. Imaginário, Porto Alegre, v. 13, n. 20, p 34-40, ago. 2008.

BARBOSA, Suzana. Jornalismo Digital de Terceira Geração. LabCom, Covilhã, PT, 2007.

BENETTI, Márcia; STORCH, Laura. Jornalismo, convergência e formação do leitor. Matri-zes. São Paulo, Ano 4, n. 2, p. 205-215, jan./jun. 2011.

BUENO, Thaísa. Utopia digital: Repensando o papel revolucionário das novas tecnologias em redações de jornais do interior. Cambiassu: Estudos em Comunicação, São Luís, MA, v. 19, n. 11, p. 128-137, jul./dez., 2012.

BUENO, Wilson da Costa. Caracterização de um objeto-modelo conceitual para a análi-se da dicotomia imprensa industrial/imprensa artesanal no Brasil. Dissertação de Mes-trado. Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. São Paulo: 1977.

BUENO, Thaísa; REINO, Lucas S. Arraes. Ciberjornalismoem dispositivos móveis: uma análi-se da conjuntura brasileira. Questões Transversais - Revista de Epistemologias da Comuni-cação, São Leopoldo, RS, v. 5, n. 10, p. 125-135, jul./ dez., 2017.

CANVILHAS, João. Webjornalismo: Da pirâmide invertida à pirâmide deitada. Covilhã (Portugal): Biblioteca on-line de Ciências da Comunicação), S/data. Disponível em: <http://www.bocc.uff.br/pag/canavilhas-joao-webjornalismo-piramide-invertida.pdf>. Acesso em: 15 set. 2018.

________________. O localismo nos jornais do interior. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 17, n. 3 p. 237-243, set/dez, 2010.

CARNEIRO, Cristine Gerk P. Adaptações Midiáticas ao Fluxo de Informações no Século XXI: WhatsApp na Redação de Jornal Impresso. In: XXXIX CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊN-CIAS DA COMUNICAÇÃO, São Paulo, SP, 2016.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. v.1, Trad. Ronei de Vanâncio Majer; São Paulo: Paz e Terra, 1999,

COSTA, Letícia Maria da. Vozes dissonantes ma Imprensa do Interior: A Produção e a Recepção do jornal "A Voz do Vale do Paraíba". Dissertação de Mestrado, Universidade Metodista de São Paulo: 2002.

DORNELLES, Beatriz. Jornalismo "comunitário" em cidades do interior – uma radiografia das empresas jornalísticas: administração, comercialização, edição e opini-ão de leitores. Porto Alegre: Ed. Sagra Luzzatto, 2004.

________________. O localismo nos jornais do interior. Porto Alegre: Revista Famecos, v. 17 , p. 237-243, 2010.

EXTRA. Em dois anos, WhatsApp do EXTRA deu a volta ao mundo e chegou a 72 mil con-tatos. Rio de Janeiro: Extra, 29 set. 2015. Disponível em: <https://extra.globo.com/noticias/brasil/em-dois-anos-whatsapp-do-extra-deu-volta-ao-mundo-chegou-72-mil-contatos-16576983.html>. Acesso em: 16 jul. 2017.

FERREIRA, P.A. WHATSAPP, EXTRA? O uso de novas tecnologias no jornalismo impresso. Monografia de Conclusão do Curso de Comunicação Social - ECO -UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014.

FOLHA DE SÃO PAULO. Manual de redação da Folha de São Paulo. Publifolha: São Paulo, 2018.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed., São Paulo, SP: Atlas, 2008.

JENKINS, Henry. A Cultura da Convergência. São Paulo: Adelph, 2009.

MARQUES DE MELO, José. Jornalismo Opinativo. Campos do Jordão: Editora Manti-queira, 2003.

MANUAL DE REDAÇÃO E ESTILO DO JORNAL O ESTADO DE S. PAULO. São Paulo: Mo-derna, 1983.

MESQUITA, Giovana. Já não se faz notícia como antigamente: as mudanças que a audiên-cia tem provocado na relação com o jornalismo. In: XXXVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO – Rio de Janeiro, RJ, 2014. Disponível em: <http://portalintercom.org.br/anais/nacional2015/resumos/R10-1613-1.pdf>. Acesso em: 24 ago. 2018.

MORETZSOHN, Sylvia. Jornalismo em “tempo real” – o fetiche da velocidade. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

NGUYEN, An. O julgamento da notícia na cultura “caça- clique”: o impacto das métricas o jornalismo e sobre os jornalistas. Revista Parágrafo, São Paulo, v.4, n.2, p. 88-101. 2016. jul-dez. 2016.

NEWMAN, Nic ; LEVY, David. A. Reuters Institute Digital News Report 2014: Tracking the Future of News. Oxford: Reuter Institute, 2014. Disponível em: <http://reutersinstitute.politics.ox.ac.uk/sites/default/files/research/files/Reuters%2520Institute%2520Digital%2520News%2520Report%25202014.pdf>. Acesso em: 15 set. 2018.

PALACIOS, Marcos (org.). O que há de (realmente) novo no Jornalismo Online? Conferência proferida por ocasião do concurso público para Professor Titular na FA-COM/UFBA, Salvador, Bahia, em 21.09.1999. Disponível em (trecho): <http://labcom-ifp.ubi.pt/files/agoranet/02/palacios-marcos-informacao-memoria.pdf>. Acesso em: 7 ago. 2018,

PELLANDA, Eduardo Campos. Desdobramentos dos “olhares” móveis sobre o terroris-mo em Londres: como as vítimas viraram repórteres. Revista E-Compós, São Paulo, v.10, n. 1, p- 173-186, dez. 2005.

PEREIRA, Fábio Henrique; ADGHIRNI, Zélia Leal. O jornalismo em tempo de mudanças estruturas. Intexto, Porto Alegre, RS, v. 1, n. 24, p. 38-57, jan./jun., 2011.

PERUZZO, Cecília M. Krohling. Mídia regional e local: aspectos conceituais e tendências. Comunicação e Sociedade. São Bernardo do Campo: Póscom-Umesp, v.26, n. 43, p. 67-84, 1º sem. 2005.

PIMENTEL, Marcelo. Evolução do jornal Vale Paraibano: um estudo de caso sobre a re-forma gráfica e editorial do jornal ocorrida no período entre os anos de 1994 e 1998. Dissertação de Mestrado, Metodista, 2000.

PIMENTEL, James. Como utilizar o WhatsApp na minha empresa: guia de bolso do aplicativo para o ambiente corporativo. Monografia de Especialização. Universidade Federal do Maranhão. 2016.

PINTO, Ana Estela de Sousa. Jornalismo Diário. Publifolha: São Paulo, 2010.

PRIMO, Alex. Interações em rede. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2013.

REINO, Lucas. A rastreabilidade como característica do ciberjornalismo. 5° Simpósio Inter-nacional de Ciberjonalismo. Anais. Campo Grande – MS, agosto de 2014.

REIS, Marco Aurélio; THOMÉ, Cláudia de Albuquerque. Um olhar sobre o papel do What-sApp nas redações dos principais jornais do Rio. Comunicação & Informação, Goiânia, GO, v. 20, n. 2, p. 95-112, jul./out., 2017.

SANTOS, T.E.S. Tribuna do Norte: a trajetória centenária do jornal mais antigo do inte-rior do Estado de São Paulo. Acervo Mídia Regional: Revista do Núcleo de Pesquisa e Estudos em Comunicação de Taubaté. Taubaté, ano 3, n. 4, p. 85-85, 2º sem. 1998.

SILVA, Fernando F. Mobilidade convergente: Abordagem sobre a prática e os estudos do jornalismo móvel. Ícone, Recife, PE, v. 11 n.2, dez. 2009.

_____________________. Tecnologias móveis na produção jornalística: do circuito alterna-tivo ao mainstream. In: V CONGRESSO DA SBPJOR (CD-ROM). Aracaju-SE/Brasil, 2007.

SOUSA, Jorge Pedro. As notícias e seus efeitos. As teorias do jornalismo e dos efei-tos sociais dos media jornalísticos. Lisboa: Universidade Fernando Pessoa, 1999.

____________________. Uma história breve do jornalismo no Ociden-te. In: ____________________(Org.). Jornalismo: História, Teoria e Metodologia da Pesquisa. Porto: Edições Universidade Fernando Pessoa, 2008.

SPECHT, Patrícia Pivoto. O impacto da interatividade via WhatsApp na produção noticiosa do jornal Diário Gaúcho. Estudos em Jornalismo e Mídia, Florianópolis, v. 15, n. 1, p- 40-51, jan – jul. 2018.

TRAVANCAS, Isabel. Fazendo etnografia no mundo da comunicação. In BARROS, A. e DUARTE, J. (orgs.), Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2006, pp. 98-109.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo: Porque as notícias são como são. v.1, Florianópolis: Insular, 2005.

TUCHMAN, Gaye. Making News. A study in the construction of reality. New York: The Free Press, 1978.

WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. Lisboa: Editorial Presença, 1987.

Publicado
2018-12-27
Seção
Artigos